quinta-feira, 19 de maio de 2016

Voltar no tempo para matar meu avô causa um Paradoxo?

Se você pensar "não-linearmente" talvez não cause! Como assim?


No mundo dos desenhos animados, se você voltar no tempo e matar seu próprio avô - ou dormir com sua avó - tudo funciona muito bem. Menos a parte onde você acaba se tornando o seu próprio avô! Assista "Fry, Phillip J." em Futurama para saber mais kkkk

No entanto, viajar para o passado, com a perspectiva de matar o próprio avô, apresentaria um clássico paradoxo. Vamos dizer que se voltarmos no tempo para matar o nosso avô ainda criança, a ação resultaria em nós jamais termos nascido. Se nós nunca nascemos, isso significa que não iremos viajar de volta no tempo, o que resultaria que nosso avô (ainda bebê) não foi morto e viveu, porém isso significa que nascemos e aí voltaremos para matá-lo e por aí vai. É um clássico exemplo dos problemas hipotéticos quando se brinca de alterar o passado.


Contudo, alguns teóricos dizem que isso não é um paradoxo de fato. O canal do Youtube MinutePhysics tem uma explicação lógica sobre o que realmente aconteceria nessa situação bizarra (fala sério, por que você mataria seu avô ainda criança em primeiro lugar? Um uso muito estranho para viajar no tempo. Melhor seria comprar algumas ações, almanaques com resultados esportivos ou algo do gênero).


Antes de continuar, eles afastaram de lado a teoria de "linha de tempo alternativa", do tipo que você conhece bem em Back to the Future 2, porque ela nos deixa com uma resposta relativamente chata para todo paradoxo. Nesse cenário, você não viaja para o passado que existiu como parte de sua linha do tempo linear, mas sim a uma cópia, ou seja, você não está alterando o passado real, apenas uma réplica do mesmo. Isso é muito mais simples e arruína toda a diversão desses tipos de exercícios de pensamento.

Em vez disso, eles se concentraram sobre o dilema real, onde você vai influenciar problematicamente os eventos de seu próprio futuro no mesmo caminho linear. Nesse caso, o resultado lógico de matar seu avô ainda bebê parece ser um circuito fechado, mas em vez disso eles dizem que você terá "duas histórias entrelaçadas acontecendo em paralelo".

Como pode ser? Como pode dois estados de existência estar ocorrendo simultaneamente para a mesma pessoa? Porque "partículas subatômicas fazem regularmente várias coisas diferentes em paralelo" o tempo todo, no que é conhecido como superposição quântica, uma propriedade que é responsável para a fusão no núcleo do Sol e explica o experimento de divisão dupla, que você pode ter visto na aula de física, no exemplo de como a luz pode tanto se comportar como uma onda e uma partícula.


Isso resulta em um universo onde existe uma "superposição de dois estados", onde seu avô está morto e vivo, portanto, você existe em um estado (onde você é capaz de voltar e matá-lo), mas também onde você não existe mais.

Sendo assim, esta teoria de dois estados simultâneos parece dar credibilidade à ideia de que nunca poderemos viajar no tempo, mas isso não é realmente o ponto deste exercício. O ponto é que o paradoxo do avô não é realmente um paradoxo em tudo. Há uma explicação lógica para isso, nós só precisamos estar dispostos a encontrá-lo. Não devemos descartar uma pergunta difícil, porque parece que a resposta não existe.

A única parte onde ainda não há lógica é: por que (diabos) você voltaria para matar o seu avô como um bebê? Quer dizer, Hitler não tem nenhum neto, não é?

Texto original de Michael Walsh

Que outro paradoxo você gostaria de fazer? 
Viaje para a nossa seção de comentários abaixo e nos deixe saber.

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...